Divulgue sua publicação para a comunidade QGISBrasil

Envie artigos e trabalhos já publicados em que você tenha utilizado o QGIS e divulgue para comunidade a diversidade de usos e aplicações que o QGIS possui! As publicações serão divulgadas na página qgisbrasil.org/artigos e, opcionalmente, na página qgisbrasil.org/blog.

Clique na imagem abaixo para preencher o formulário:

 

Publicado em Artigos, Colabore

Junte-se à equipe de tradução do QGISBrasil

O processo de tradução do QGIS é contínuo e conta com a participação voluntária dos tradutores da Comunidade QGISBrasil. Ao lançamento de cada nova versão são geradas novas funcionalidades e novos materiais de apoio são disponibilizados pela comunidade internacional, tornando-se essencial o envolvimento na atividade e o comprometimento dos tradutores. Acompanhe aqui o andamento das traduções.

Junte-se a nós e participe da equipe de tradução da interface gráfica, dos manuais/guias de usuário e do website oficial.  Lembre-se de que é preciso compromisso e tempo disponível para a tarefa!

Como participar

Para se voluntariar, preencha o formulário abaixo com seus dados básicos e escolha de qual equipe você deseja fazer parte: interface gráfica, documentação e/ou website.

Formulário

Após seu cadastro, a equipe de tradução entrará em contato por email para adicioná-lo à plataforma Slack (canal de comunicação oficial da Comunidade QGISBrasil), instruí-lo e acompanhá-lo no processo de tradução!

*Devido à reestruturação das equipes de tradução, os antigos colaboradores inativos por mais de 6 meses foram excluídos, mas são bem vindos a retornarem através dos passos descritos acima. Novos membros também serão desconsiderados após 6 meses de inatividade, para melhor organização das equipes.

Publicado em Colabore, Documentação, Tradução

Tutorial QField: o QGIS para campo

QField – a versão do QGIS para campo!

O QField é um projeto paralelo ao QGIS, construído para utilização em dispositivos móveis (principalmente smartphones e tablets) para atividades de campo. Desenvolvido pela OpenGIS, funciona com a mesma licença pública do QGIS, a GNU (General Public License), com código totalmente aberto para uso, inspeção e modificação. Utiliza o sistema operacional Android 4.0.3 ou mais atual e pode ser baixado pela Google Play clicando aqui.

O QField funciona com a localização por GPS, com todas as funcionalidades offline, capacidade de sincronização e permite a visualização de todas as camadas (raster e vetoriais) carregadas previamente no projeto e vetorização de camadas.

Confira neste tutorial como preparar e utilizar o QField no seu dispositivo móvel.

O primeiro passo é a instalação do QField no seu dispositivo. Realize o download no Google Play clicando aqui (Figura 1).

Figura 1: QField no Google Play.

O segundo passo é a preparação do seu projeto dentro do QGIS Desktop. Neste exemplo, criamos um projeto com dois arquivos vetoriais contendo os limites municipais do Estado de Santa Catarina, o limite estadual e um arquivo vetorial de pontos chamado “pontos_campo” que será preenchido como exemplo na utilização do QField. A preparação do projeto com as camadas deve ser realizada no seu computador (Figura 2). Em seguida, transfira a pasta com o seu projeto e todos os arquivos para o dispositivo móvel.

Figura 2: Preparação do projeto no QGIS Desktop.

Agora, abra o QField no dispositivo móvel. Ao abri-lo pela primeira vez, você verá a tela da Figura 3. Clique no botão em destaque e procure o arquivo de projeto (.qgs) que você gravou em seu dispositivo.

   Figura 3: Tela inicial após a instalação do QField.

Caso necessário, você pode abrir o projeto novamente ou um novo projeto ao clicar no botão  e em seguida em , para depois selecionar Abrir Projeto (Figura 4) e procurar o arquivo .qgs no dispositivo.

Figura 4. Menu para abrir um projeto.

Após aberto o projeto, você visualizará as camadas carregadas (Figura 5a). Ao clicar em uma feição, as informações da tabela de atributos serão mostradas no painel à direita (Figura 5b).

Figura 5: a) Camadas carregadas no projeto. b) Município de Biguaçu selecionado na camada “limites_municipais”.

Para ativar a localização por GPS do QField, clique no botão azul situado no canto superior esquerdo do aplicativo, em destaque na Figura 6. Certifique-se que o serviço de localização esteja ativado no seu dispositivo. Ao ativar o GPS, observe que surgirá um ponto vermelho indicando o seu posicionamento em campo (Figura 6).

Figura 6: Ativação do GPS e indicação de posicionamento.

Agora, iremos adicionar uma feição para a camada “pontos_campo”. Para isso, devemos trocar o Modo do QField para o modo de edição. Para isso, clique no botão e em seguida em  . No painel a ser aberto, clique em Modo (Figura 7) e depois em Digitalizar.

Figura 7: Trocando o Modo através do Menu Principal.

No painel que abrirá à esquerda (Active Layer), clique na seta (em destaque na Figura 8) e em seguida selecione a camada que você deseja editar. Neste exemplo, será editada a camada “pontos_campo”.

Figura 8: Ativando a camada para edição.

Observe que o ícone  foi adicionado à tela. Este ícone indica o local no qual será inserida a nova feição. Mova o ícone para o local onde deseja adicionar o ponto. Se deseja adicionar o local onde você está com a posição do GPS, clique no botão azul de ativação indicado na Figura 6, e o ícone será automaticamente centralizado na sua exata posição. Para adicionar a feição, clique no botão amarelo no canto inferior direito da tela (Figura 9).

 Figura 9: Adicionando uma nova feição no posicionamento do GPS.

Após clicar no botão amarelo, será aberta a tabela de atributos da camada, onde você deve preencher as colunas pertinentes a sua camada e em seguida clicar no ícone de disquete, no canto superior direito para salvar as alterações (Figura 10).

Figura 10: Editando os atributos do ponto criado e salvando.

Após salvo, para editar ou apagar as informações do ponto criado, ou das feições das camadas carregadas, basta estar com o Modo Digitalizar ligado, selecionar a feição, clicar sobre ela no painel à direita e logo depois no botão em destaque na Figura 11.

Figura 11: Editando uma feição já salva.

O QField também permite a edição de camadas de polígonos e linhas. Para isso, siga os passos de ativação da camada descritos anteriormente. Ao clicar para adicionar uma nova feição, você deve mover a tela para extensão dos vértices e clicar no botão verde em destaque na Figura 12 para cada vértice do polígono/linha. Ao finalizar a vetorização, clique no botão amarelo com o símbolo de disquete para salvar.

Figura 12: Adicionando uma feição de polígono.

Publicado em Aprendendo QGIS, Tutoriais

Filtragem de lineamentos geológicos por quadrantes no QGIS

Anteriormente aprendemos como vetorizar lineamentos a partir de uma modelo digital sombreado. Hoje iremos demonstrar os procedimentos para calcular e adicionar os valores dos azimutes dos lineamentos já vetorizados à tabela de atributos. Também, criaremos um diagrama de roseta, utilizando o complemento “Line direction histogram“, e, por fim, filtraremos os lineamentos por quadrantes, salvando-os em uma nova camada.

Para calcular o azimute clique com o botão direito na camada e abra a tabela de atributos. Nela clique em “Alternar edição” editare vá até o último ícone da barra de ferramentas cal“Abrir calculadora de campo”. Aberta, selecione a opção “criar um novo campo” em “Nome do novo campo” digite “azimute”, “Tipo do novo campo” selecione a opção “número inteiro (inteiro)” e “Comprimento de saída” digite “10”. De acordo com o website de dúvidas Geographic Information Systems Stack Exchange, no tópico How to add Direction and Distance to attribute table? é demonstrado como obter os azimutes de cada estrutura linear interpretada, sendo necessário digitar em “Expressão” o seguinte código:

case
when yat(-1)-yat(0) < 0 or yat(-1)-yat(0) > 0 then 
(atan((xat(-1)-xat(0))/(yat(-1)-yat(0)))) * 180/3.14159 + 
(180 *
(((yat(-1)-yat(0)) < 0) + 
(((xat(-1)-xat(0)) < 0 AND (yat(-1) - yat(0)) >0)*2)
))
when ((yat(-1)-yat(0)) = 0 and (xat(-1) - xat(0)) >0) then 90
when ((yat(-1)-yat(0)) = 0 and (xat(-1) - xat(0)) <0) then 270
end

Em seguida, clique em “OK” (Figura 1) e a tabela de atributos será atualizada automaticamente com os valores dos azimutes de cada estrutura linear vetorizada.

15Figura 1. Cálculo do azimute dos lineamentos através da calculadora de campo.

Concluído, feche a camada para edições clicando novamente em editar “Alternar edição”.

Criação de um Diagrama de Roseta

Vetorizados os lineamentos podemos criar o diagrama de roseta da área. Para isso vá em Complementos/Gerenciar e Instalar Complementos e digite “Line direction histogram”. Caso ele não apareça vá na aba Opções/Mostrar também os complementos experimentais e refaça a pesquisa. Clique em “Instalar complemento” e feche a janela (Figura 2).

16Figura 2. Janela de instalação do complemento “Line direction histogram”.

Na barra de menus vá em vetor , clique na opção “Line direction histogram” e selecione a camada vetorial em que foram espacializados os lineamentos (no post anterior “lineamento_45_45”). Se desejar criar o diagrama apenas para algumas linhas selecionadas na área de trabalho, deixe a opção “Selected features only” habilitada e defina a quantidade de intervalos desejados (bins). Indique se deseja ou não levar em consideração o comprimento dos lineamentos e se a área plotada será proporcional ao raio do diagrama nas opções localizadas no canto inferior da janela e clique em “OK”. Observe que o diagrama de roseta gerado pode ser salvo em nos formatos PDF, SVG e em CSV (Figura 3).

17Figura 3. Configurações do complemento “Line direction histogram” para geração do diagrama de roseta.

Ao abrir a tabela (CSV) gerada pelo complemento podemos notar o intervalo angular que cada lineamento se enquadra e a quantidade de lineamentos em number (Figura 3).

18Figura 3. Tabela CSV gerada com os dados do complemento “Line direction histogram”.

Filtragem de lineamentos por quadrante

Vamos supor que seja apenas do seu interesse o quadrante com a maior quantidade de lineamentos. Na tabela CSV criada no passo anterior, os lineamentos com azimute entre 67,5 e 90 graus são mais frequentes e no total contabilizam 8 linhas vetoriais.

Após a identificação, realize a filtragem e clique na barra de ferramentas em tabela “Tabela de atributos”. Nela, ordene os lineamentos clicando sobre o nome da coluna e selecione os que possuem valores entre 67,5 e 90 graus (Figura 4) e feche a tabela de atributos.

19Figura 4. Seleção dos lineamentos de interesse na tabela de atributos.

Depois de selecionadas as linhas de interesse, exporte-as para uma camada individual, clicando com o botão direito sobre a camada localizada no “Painel de camadas” e e na opção “Salvar como…” (Figura 5).

20Figura 5. Opção de “Salvar como” apenas para os lineamentos selecionados.

Uma nova janela será aberta. No campo “Formato” selecione a opção “Shapefile”, na opção “Salvar como” procure no diretório do seu computador a pasta de destino da camada e salve-a com o nome desejado (ex.: lineamentos_67,5_90). Configure também o SRC como sendo o do seu projeto e clique em “OK”.

21Figura 6. Salvando os lineamentos previamente selecionados em uma única camada.

Uma nova camada apenas com os lineamentos de interesse será adicionada ao “Painel de camadas” (Figura 7).

filtragemFigura 7. Filtragem do lineamentos de azimute entre 67,5 e 90.

 

Publicado em Aprendendo QGIS, Tutoriais

Símbolos múltiplos SVG em camada de pontos

Neste tutorial aprenderemos a adicionar símbolos múltiplos SVG para uma camada de pontos, como exemplificado na Figura 1:

Figura 1 – Pontos com múltiplos símbolos SVG no QGIS.

Nestas localidades hipotéticas, cada local possui símbolos que representam serviços disponíveis (hotel, restaurante, estacionamento e aeroporto). Clique com o botão direito do mouse na camada de pontos e abra a tabela de atributos. Agora, clique no botão ‘Novo campo’ e adicione a quantidade de colunas referente a mesma quantidade de símbolos possíveis (neste exemplo são 4). Em seguida, preencha a tabela com o nome do ícone (Figura 2).

Figura 2 – Tabela de atributos.

Agora, salve as alterações e feche a tabela de atributos. Clique com o botão direito do mouse na camada de pontos e abra Propriedades. Na aba Estilo, clique no botão + para adicionar um novo marcador (Figura 3).

Figura 3 – Aba Estilo da janela Propriedades da camada de pontos.

Adicione a mesma quantidade de marcadores que serão necessários (neste exemplo são 4) e mais um para ser o marcador da localidade (Figura 4).

Figura 4 – Inserção dos 4 marcadores necessários.

Clique em cima de cada um dos 4 últimos marcadores e modifique-os para marcador SVG (Figura 5).

Figura 5 – Alterando o tipo de símbolo da camada para marcador SVG.

Selecione o primeiro marcador SVG. No campo Tamanho, clique no botão do lado direito e em Editar (Figura 6).

Figura 6 – Edição do marcador SVG.

Copie o texto abaixo na janela que abrirá:

CASE
WHEN "icone1" is not NULL
 THEN 4
 ELSE 0
END

*Onde está escrito “icone1” você deve substituir pelo nome da primeira coluna que você criou na tabela de atributos dos primeiros passos. Onde está o valor “4” você pode substituir pelo tamanho que você deseja para seu símbolo. Ao terminar, clique em Ok.

Repita o processo para os 3 marcadores SVG restantes, substituindo todos “icone1” por “icone2” no segundo marcador, “icone3” no terceiro marcador e assim sucessivamente.

Ao terminar este processo, clique novamente no primeiro marcador SVG. Deslize a barra lateral até a pasta com as imagens SVG. Selecione os símbolos que você deseja utilizar e copie o endereço de cada um, como exemplificado na Figura 7:

Figura 7 – Banco de ícones SVG no QGIS.

Após copiado o endereço, substitua-o no texto abaixo em cada um dos símbolos (por exemplo, o símbolo da imagem anterior será colado abaixo da linha que contém ‘restaurante’):

CASE
WHEN "icone1" = 'hotel'
 THEN 'C:/PROGRA~1/QGIS2~1.18/apps/qgis/./svg//gpsicons/h.svg'
WHEN "icone1" = 'aeroporto'
 THEN 'C:/PROGRA~1/QGIS2~1.18/apps/qgis/./svg//transport/amenity=airport.svg'
WHEN "icone1" = 'restaurante'
 THEN 'C:/PROGRA~1/QGIS2~1.18/apps/qgis/./svg//gpsicons/food.svg'
WHEN "icone1" = 'estacionamento'
 THEN 'C:/PROGRA~1/QGIS2~1.18/apps/qgis/./svg//gpsicons/car.svg'
 ELSE  ''
END

Após trocar os endereços no texto, clique no símbolo mostrado na Figura 8 e clique em Editar.

Figura 8 – Nova edição do marcador SVG.

Na tela que abrir, cole o texto do passo anterior (Figura 9) e clique em Ok.

Figura 9 – Editando a expressão dos múltiplos marcadores SVG.

Repita este passo de colagem para todos os marcadores SVG, substituindo “icone1” por “icone2” no segundo marcador SVG, “icone3” no terceiro, e assim sucessivamente.

No último passo, você deve ajustar o deslocamento dos símbolos para que eles não se sobreponham. Para isso, clique no primeiro marcador e em Deslocamento, digite em X o deslocamento horizontal que você deseja. Em Deslocamento Y, digite o deslocamento vertical. Ao repetir o processo para os próximos marcadores, digite um deslocamento X maior que o do marcador anterior, e repita o deslocamento Y. Neste exemplo foram utilizados os seguintes valores:

Finalize clicando em Ok para fechar a janela de Propriedades da camada.

Referência: Creating Dynamic Icon Series – Anita Graser

Publicado em Aprendendo QGIS, Tutoriais

Vamos fazer um grande esforço de financiamento para o QGIS 3.0!

Estamos planejando o lançamento do QGIS 3.0 para 2017! Esta nova versão se tornará a base para a próxima versão estável (3.2), que está sendo preparada para ser uma grande mudança no desenvolvimento do QGIS. Teremos uma modernização que resolverá muitos dos problemas que não foram resolvidos nos lançamentos das versões 2.x. Por exemplo, estamos mudando para o Qt5, Python 3, limpando os códigos e fazendo enormes ajustes para melhorar o desempenho e a estabilidade do QGIS. Muitos outros problemas que precisam ser resolvidos antes do lançamento do QGIS 3.0, como melhorias no servidor, no compositor, suporte para carregamento de múltiplos projetos ao mesmo tempo, entre outros.

Recentemente foram anunciados os vencedores do programas de financiamento para desenvolvedores que estão colaborando com as melhorias no QGIS. Gostaríamos de fazer um convite para colaboração com nosso projeto:

  • Se você é um usuário, considere fazer uma doação via PayPal ou transferência bancária.
  • Se você é uma empresa utilizadora do QGIS, considere se tornar um dos nossos patrocinadores. O nível básico de patrocínio não é caro e faz uma grande diferença para nosso projeto.

Colabore com a Comunidade QGISBrasil clicando aqui e ajude-nos a nos tornarmos patrocinadores Bronze do projeto internacional!

Conheça as opções de doação para o projeto internacional clicando aqui.

 

Postagem original por Tim Sutton: http://blog.qgis.org/2016/11/19/lets-make-a-big-funding-push-for-qgis-3-0/

 

Publicado em Colabore, Notícias Marcado com: ,

Delimitação de estruturas geológicas lineares a partir de relevo sombreado

Estruturas lineares podem ser identificadas através da união de ferramentas de geoprocessamento com imagens geradas por sensoriamento remoto. No presente tutorial iremos mostrar os passos a serem seguidos no QGIS 2.14, para obtenção de uma camada vetorial do tipo shapefile, que irá  conter  lineamentos de uma área vetorizados.

O primeiro passo é a obtenção das imagens do modelo digital de elevação (MDE) a partir do site EarthExplorer. Para a obtenção das mesmas é necessário fazer o login no site, sendo o cadastro de fácil realização.  A área de pesquisa de interesse poderá ser localizada utilizando a barra de ferramentas localizada no lado esquerdo da tela (Figura 1).

1Figura 1. Seleção da área de pesquisa no site Earth Explore – USGS.

Feito isso clique em “Data Sets” e selecione a opção localizada na aba “Digital Elevation” – “SRTM” – “SRTM 1 Arc-Second-Global“, que consiste em uma imagem com pixel de resolução de 30m (Figura 2). Uma vez selecionada a opção clique em “Results“.

2_data_setsFigura 2. Seleção da imagem SRTM entre as opções de imagens disponíveis para download.

Uma nova aba contendo os “Search Results” será aberta com as imagens que cobrem a área (Figura 3).

4-resultsFigura 3. Resultado da busca das imagens disponíveis que recobrem a área de interesse.

Para baixar a imagem clique em 3-download-botaoDownload Options, selecione a opção “GeoTIFF 1 GeoTIFF 1 Arc-second” (Figura 4) e o download da imagem iniciará (faça isso para a todas as imagens da lista que cobrem a região).

5_geotiffFigura 4. Opções disponíveis para download da imagens SRTM.

Antes de iniciarmos o processamento das imagens abra o “QGIS Desktop 2.14”. Na barra de menus clique em Projeto/Novo…, configure o Sistema de Referência de Coordenadas (SRC) e salve o projeto. Para selecionar o SRC, na barra de menus clique em Projeto/Propriedades do projeto… (Figura 5).

5Figura 5. Caminho até a janela de propriedades do projeto.

A janela das propriedade do projeto será aberta, na aba SRC, selecione a opção “habilitar transformação dinâmica” e em “filtro” e busque pelo SRC desejado. Para efetivar a ação clique em “OK” (Figura 6).

6_projetoFigura 6. Janela de propriedades do projeto.

Para salvar o projeto clique na barra de menus em: Projeto/Salvar como… (Figura 7), e salve-o, dentro da pasta de seu interesse.

7Figura 7. Salvando o projeto através da barra de menu.

Através do ícone  rasterabra as imagens salvas na pasta raster. Ao abrir as imagens podemos observar, clicando com o botão direito sobre a camada na opção “Propriedades da camada” na aba “Geral”, que a camada está salva em coordenadas geográficas, nesse caso WGS84. Uma vez carregadas as imagens é necessário uni-las em uma só camada para isso vá na opção Raster/Miscelânia/Mosaico…(Figura 8).

8Figura 8. Criação de um “Mosaico” de camadas raster através da ferramentas “Miscelania”.

No arquivo de entrada selecione todas as imagens a serem unidas e no arquivo de saída selecione a pasta que deseja salvar a imagem que será gerada (Figura 9). 

9Figura 9. Janela de configuração do Mosaico.

Agora vamos reprojetar nossa imagem para projeção Universal Transversa de Mercator (UTM). Clicando sobre a camada com o botão direito, selecione a opção “Salvar como” (Figura 10).

10Figura 10. Caminho até a janela de opção “Salvar camada vetorial como”.

Uma nova janela irá abrir na qual podemos escolher manter na opção “formato” a opção Gtiff. Na aba “salvar como” selecione a pasta de saída e coloque o nome desejado para o arquivo. Na aba “SRC” coloque o SRC com o datum (por exemplo: WGS 84/UTM zone 22S) e clique em “OK”. Remova a camada anterior e confirme se o SRC do seu projeto é o mesmo da camada que acabou de ser salva (Figura 11).

11Figura 11. Salvando a camada “lineamentos” no projeção UTM.

Para gerarmos o modelo sombreado da camada raster criada devemos ir na barra de menus em: Raster/Análise/MDE(Modelos de Terreno)…. Na opção “Arquivo de entrada (MDE raster)” selecione a camada salva em utm e na opção “Arquivo de saída” selecione a pasta desejada e digite o nome do arquivo (sugiro que seja sombreamento_45_45), 45 sendo o valor escolhido para o valor do azimute de insolação e para a atitude de insolação (Figura 12). No modo de opções podemos escolher o fator z (exagero vertical), escala (razão entre a unidade vertical e horizontal), azimute de insolação e atitude de insolação da forma que mais se adéqua ao seu interesse e área de estudo, segue uma dica para a definição do azimute de insolação: Wise et al. (1985) sugere que o relevo é mais claramente visualizado quando iluminado a partir de uma direção ortogonal à tendência principal de lineamentos. Feito isso clique em “OK” e caso o modelo não apareça automaticamente adicione o mesmo que está salva na pasta raster.

12Figura 12. Camada de sombreamento gerada a partir do MDE.

Criação de uma Camada vetorial de Lineamentos

Agora iremos criar uma camada onde serão vetorizados os lineamentos, para isso clique em Camada/Criar camada/Shapefile…. Uma nova janela será aberta, na opção “Tipo” selecione linha e coloque o SRC do seu projeto (por exemplo: WGS 84/UTM zone 22S) e clique em OK. Salve na pasta desejada, com o nome sugerido de “lineamentos_45_45”.

13Figura 13. Criando a camada shapefile “lineamentos”.

Após criada a camada, clique na barra de ferramentas editar “Alternar edição” e em add-vetor ”Adicionar feição” para iniciar a vetorização dos lineamentos. Após finalizar, clique em salvar “Salvar as edições na camada” (Figura 14).

14Figura 14. Resultado final camada de lineamentos vetorizados utilizando como referência a camada de sombreamento.

Publicado em Tutoriais

Lista de geoserviços WMS e WFS a partir de bases de dados abertos para o QGIS

Os serviços WMS (Web Map Service) e WFS (Web Feature Service), são formatos criados pela OGC Open Geospatial Consortium (Consórcio Geoespacial Aberto), uma organização internacional sem fins lucrativos para criação de padrões de compartilhamento de dados espaciais. Estes padrões permitem que órgãos governamentais, ONG’s, empresas, entidades acadêmicas e de pesquisa possam disponibilizar de maneira aberta seus dados geoespaciais. (Fonte: http://www.opengeospatial.org/)

Com o QGIS, você pode se conectar aos serviços WMS e WFS através do menu Camada > Adicionar camada e selecionar a opção WMS/WMTS ou WFS. Ao clicar em Novo, você pode colar no campo URL um dos links disponibilizados abaixo do seu interesse e, em seguida, conectar-se e escolher a camada que deseja adicionar.

Nesta lista, disponibilizamos alguns endereços de geosserviços de instituições públicas no intuito de facilitar a busca dos mesmos. Caso você usuário do QGIS saiba de mais algum link, entre em contato com a Comunidade QGISBrasil pelos comentários ou pelo email comunidade@qgisbrasil.org para que o serviço de acesso aberto possa ser acrescentado e divulgado através desta lista.

Servidores WMS

Brasil

ANA – Agência Nacional de Águas

http://www.snirh.gov.br/arcgis/services/geonetwork/camadas/MapServer/WMSServer

ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica

http://sigel.aneel.gov.br/arcgis/services/SIGEL/Tematicos/MapServer/WmsServer?

CPRM – Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais – Mapa geológico 1:1.000.000

http://arcgisserver.cprm.gov.br:6080/arcgis/services/Lito_1000000/MapServer/WMSServer

DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral – Processos minerários

http://sigmine.dnpm.gov.br/arcgis/services/extra/dados_dnpm/MapServer/WMSServer

IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

http://siscom.ibama.gov.br:80/geoserver/ows?SERVICE=WMS&

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

http://www.geoservicos.ibge.gov.br:80/geoserver/ows?SERVICE=WMS&

ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

http://mapas.icmbio.gov.br/geoserver/ows?service=wfs&version=1.1.0&request=GetCapabilities

INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária

http://acervofundiario.incra.gov.br/i3geo/ogc.php?tema=imoveiscertificados_privado

http://acervofundiario.incra.gov.br/i3geo/ogc.php?tema=imoveiscertificados_publico

Ministério da Saúde (acesse o link para escolher o serviço WMS)

http://i3geo.saude.gov.br/i3geo/ogc.htm

MMA – Ministério do Meio Ambiente

http://mapas.mma.gov.br/i3geo/ogc.htm (acesse o link para escolher o serviço WMS)

http://mapas.mma.gov.br/cgi-bin/mapserv?map=/opt/www/html/webservices/biorregioes.map&

http://mapas.mma.gov.br/cgi-bin/mapserv?map=/opt/www/html/webservices/ucs.map&

Estaduais

AM – EMBRAPA (acesse o link para escolher o serviço WMS)

http://www.amazonia.cnptia.embrapa.br/i3geo/ogc.htm

SC – Produtos do Levantamento Aerofotogramétrico da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS) de Santa Catarina

http://sigsc.sc.gov.br/sigserver/SIGSC/wms

SP – Secretaria do Meio Ambiente de SP

http://datageo.ambiente.sp.gov.br/geoserver/datageo/ows?SERVICE=WMS&

Internacionais

Food and Agriculture Organization (FAO) – Dados climáticos globais e fronteiras de países

http://geonetwork3.fao.org/ows/14132?amp;request=GetCapabilities

Mapa Global GEBCO

http://www.gebco.net/data_and_products/gebco_web_services/web_map_service/ (acesse o link para escolher o serviço WMS)

National Aeronautics and Space Administration (NASA) – Imagens Landsat, Spot e outras

http://webapps.datafed.net/OnEarth_JPL.ogc?

OpenStreetMap (GIS-LAB.info)

http://irs.gis-lab.info/?layers=landsat&

Australian Hydrological Geospatial Fabric (Geofabric)

http://geofabric.bom.gov.au/simplefeatures/ows?service=WMS&request=GetCapabilities

Site para busca de outras fontes WMS

http://one-sportdev.rhcloud.com/

 

Servidores WFS

EMBRAPA – Macrozoneamento Ecológico-Econômico

http://cnpm.ide.cnpm.embrapa.br/geoserver/wfs?

IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

http://siscom.ibama.gov.br:80/geoserver/schemas/wfs/1.0.0/WFS-capabilities.xsd

IBGE  – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

http://www.geoservicos.ibge.gov.br:80/geoserver/wfs

Texto: Geovano Hoffmann, Leila Amaral e Mariana Blank.

Publicado em Dicas e truques

Lançamento do QGIS versão 2.18 Las Palmas

Acaba de ser lançada no dia 21/10/16 a nova versão do QGIS 2.18 Las Palmas. Com a interface totalmente em português, a nova versão traz mudanças e melhorias significativas na renderização de camadas raster, simbologias, rotulagem, gerenciamento de dados, processamento, entre outros. A versão 2.14.8 permanece como versão estável.

Baixe a nova versão aqui e confira as novas melhorias e funcionalidades do QGIS.

las_palmas

Ajude-nos a melhorar o QGIS:

Caso encontre erros de tradução, reporte-os aqui.

 

Publicado em Notícias

QGISBrasil no FOSS.4GIS.GOV

Luiz Motta, Narcélio de Sá, Arthur Nanni e Felipe Sodré no evento em Brasília.

Luiz Motta, Narcélio de Sá, Arthur Nanni e Felipe Sodré no evento em Brasília.

No dia 27 de setembro a Comunidade QGISBrasil esteve presente no FOSS.4GIS.GOV, evento que ocorreu na sede do IBAMA em Brasília e discutiu o uso de geotecnologias livres em instituições públicas.

A representação da comunidade contou com a presença dos colegas Luiz Motta, Narcélio de Sá, Felipe Sodré e Arthur Nanni. A equipe fez apresentações da Comunidade QGISBrasil e pode dialogar com os participantes em busca de parcerias.

As palestras apresentadas podem ser assistidas através dos links abaixo.

Palestra – QGISBrasil – Arthur Nanni

Palestra – A mudança do usuário, de consumidor para colaborador – Luiz Motta

Maiores informações sobre o evento e acesso as demais apresentações do evento podem ser acessados aqui.

Publicado em Notícias